Domingo, 9 Maio, 2021
Inicio Boletim Fala o Papa Cruz de Amor, Paz e Justiça

Cruz de Amor, Paz e Justiça

«Que significa perder a vida? Significa pensar menos em si mesmo, nos interesses pessoais, e saber “ver” e ir ao encontro das necessidades do nosso próximo, especialmente dos últimos»

O Evangelho de hoje (cf. Jo 12,20-33) narra um episódio ocorrido nos últimos dias da vida de Jesus. A cena desenrola-se em Jerusalém, onde Ele se encontra para a festa da Páscoa judaica. Para esta celebração ritual vieram também alguns gregos; trata-se de homens animados por sentimentos religiosos, atraídos pela fé do povo hebreu e que, tendo ouvido falar deste grande profeta, aproximam-se de Filipe, um dos doze apóstolos, e dizem-lhe: «Senhor, queríamos ver Jesus» (v. 21). João realça esta frase, centrada no verbo ver, que no vocabulário do evangelista significa ir além das aparências para colher o mistério de uma pessoa. O verbo que João utiliza, “ver”, é chegar ao coração, chegar com a vista, com a compreensão até ao íntimo da pessoa, dentro da pessoa.

A reação de Jesus é surpreendente. Ele não responde com um “sim” nem com um “não”, mas diz: «Chegou a hora para o Filho do Homem ser glorificado» (v. 23). Estas palavras, que à primeira vista parecem ignorar a pergunta daqueles gregos, na realidade dão a verdadeira resposta, porque quem quiser conhecer Jesus deve olhar dentro da cruz, onde se revela a sua glória. Olhar dentro da cruz. O Evangelho de hoje convida-nos a dirigir o nosso olhar para o crucifixo, que não é um objeto ornamental nem um acessório de vestuário — por vezes abusado! — mas é um sinal religioso a ser contemplado e compreendido. No imaginário de Jesus crucificado desvela-se o mistério da morte do Filho como gesto supremo de amor, fonte de vida e de salvação para a humanidade de todos os tempos. Fomos curados nas suas chagas.

Posso pensar: “Como olho eu para o crucifixo? Como uma obra de arte, para ver se é bonito ou não? Ou olho para dentro, entro nas chagas de Jesus até ao seu coração? Olho o mistério de Deus aniquilado até à morte, como um escravo, como um criminoso?” Não vos esqueçais disto: olhar para o crucifixo, mas olhar dentro dele. Há esta bela devoção de recitar um Pai-Nosso por cada uma das cinco chagas: quando rezamos aquele Pai-Nosso, tentemos entrar através das chagas de Jesus dentro, dentro, precisamente do seu coração. E ali aprendemos a grande sabedoria do mistério de Cristo, a grande sabedoria da cruz.

E para explicar o significado da sua morte e ressurreição, Jesus faz uso de uma imagem e diz: «Se o grão de trigo, caído na terra, não morrer, fica só; se morrer, produz muito fruto» (v. 24). Quer fazer compreender que a sua vicissitude extrema — ou seja, a cruz, morte e ressurreição — é um ato de fecundidade — as suas chagas sararam-nos — uma fecundidade que dará fruto para muitos. Deste modo, compara-se a si mesmo com o grão de trigo que, apodrecendo na terra, gera uma nova vida. Com a Encarnação Jesus veio sobre a terra; mas isto não é suficiente: Ele deve também morrer, para resgatar os homens da escravidão do pecado e lhes doar uma nova vida reconciliada no amor. Eu disse “para resgatar os homens”: mas, a fim de resgatar a mim, a ti, a todos nós, cada um de nós, Ele pagou aquele preço. Este é o mistério de Cristo. Vai rumo às suas chagas, entra, contempla; vê Jesus, mas a partir de dentro.

E este dinamismo do grão de trigo, que se realizou em Jesus, deve realizar-se também em nós seus discípulos: somos chamados a fazer nossa esta lei pascal do perder a vida para a receber nova e também eterna. E que significa perder a vida? Isto é, que significa ser o grão de trigo? Significa pensar menos em si mesmo, nos interesses pessoais, e saber “ver” e ir ao encontro das necessidades do nosso próximo, especialmente dos últimos. Cumprir com alegria obras de caridade a favor de quantos sofrem no corpo e no espírito é o modo mais autêntico de viver o Evangelho, é o fundamento necessário para que as nossas comunidades possam crescer na fraternidade e no acolhimento recíproco. Quero ver Jesus, mas vê-lo dentro. Entra nas suas chagas e contempla aquele amor do seu coração por ti, por ti, por ti, por mim, por todos.

A Virgem Maria, que sempre manteve o olhar do coração fixo no seu Filho, da manjedoura de Belém até à cruz no Calvário, nos ajude a encontrá-lo e a conhecê-lo assim como Ele deseja, para que possamos viver iluminados por Ele, e levar pelo mundo frutos de justiça e de paz.

Papa Francisco, Angelus, Praça São Pedro, 18 de março de de 2018

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

MAIS RECENTES

VI Domingo da Páscoa 2021

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a vida pelos amigos (Jo 15,9-17) Naquele tempo, disse Jesus...

“É este o meu mandamento”

«Se eu permanecer unido a Jesus, o seu amor pode alcançar o outro e atraí-lo a si, à sua amizade» Neste tempo pascal a Palavra...

V Domingo da Páscoa 2021

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João Quem permanece em Mim e Eu nele dá muito fruto (Jo 15,1-8) Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Eu...

Permanecer em Jesus

«Se formos íntimos com o Senhor, como a videira e os ramos, seremos capazes de dar frutos de vida nova, de misericórdia, de justiça...

ARQUIVO

ARQUIVO (ÚLTIMOS NÚMEROS)