Sexta-feira, 24 Setembro, 2021
Inicio Boletim Liturgia XVIII Domingo do Tempo Comum

XVIII Domingo do Tempo Comum

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João

Quem vem a Mim nunca mais terá fome,
quem acredita em Mim nunca mais terá sede
(Jo 6,24-35)

Naquele tempo,
quando a multidão viu
que nem Jesus nem os seus discípulos estavam à beira do lago,
subiram todos para as barcas
e foram para Cafarnaum, à procura de Jesus.
Ao encontrá-l’O no outro lado do mar, disseram-Lhe:
«Mestre, quando chegaste aqui?»
Jesus respondeu-lhes:
«Em verdade, em verdade vos digo:
vós procurais-Me, não porque vistes milagres,
mas porque comestes dos pães e ficastes saciados.
Trabalhai, não tanto pela comida que se perde,
mas pelo alimento que dura até à vida eterna
e que o Filho do homem vos dará.
A Ele é que o Pai, o próprio Deus, marcou com o seu selo.»
Disseram-Lhe então:
«Que devemos nós fazer para praticar as obras de Deus?»
Respondeu-lhes Jesus:
«A obra de Deus
consiste em acreditar n’Aquele que Ele enviou.»
Disseram-Lhe eles:
«Que milagres fazes Tu,
para que nós vejamos e acreditemos em Ti?
Que obra realizas?
No deserto os nossos pais comeram o maná,
conforme está escrito:
‘Deu-lhes a comer um pão que veio do Céu’.»
Jesus respondeu-lhes:
«Em verdade, em verdade vos digo:
Não foi Moisés que vos deu o pão do Céu;
meu Pai é que vos dá o verdadeiro pão do Céu.
O pão de Deus é o que desce do Céu
para dar a vida ao mundo.»
Disseram-Lhe eles:
«Senhor, dá-nos sempre desse pão.»
Jesus respondeu-lhes:
«Eu sou o pão da vida:
quem vem a Mim nunca mais terá fome,
quem acredita em Mim nunca mais terá sede.»

Palavra da salvação

 

  • Comentário do nosso Pároco, Pe. José Diz
    Depois do milagre da multiplicação dos pães, os Apóstolos entram na barca em direção a Cafarnaúm. O milagre dos  pães e a marcha sobre as águas estão intimamente ligados, preparando o discurso na Sinagoga. “Vós procurais-Me, porque comestes dos pães.” Há muitas maneiras de procurar Jesus. Há a busca generosa dos que O seguem por amor e a busca interesseira dos que vêm pedir-Lhe a cura ou saciar-se de pão. O melhor que Deus nos dá é o amor que nos tem. “Trabalhai pelo alimento que o Filho do Homem vos dará.” Criado para Deus, o homem tem fome de infinito, e só Ele o pode saciar. Para responder a essa fome, enviou-Lhe o seu Filho como alimento da verdade e Pão da Vida. Jesus morre por nós na Cruz, fazendo-se Pão da nossa fome. “Que havemos de fazer?” Acreditar em Jesus Cristo, o alimento que sacia e faz crescer. É a obra de Deus entre os homens. Para a fome e sede de Vida Eterna, Cristo é o manjar.
  • Comentário do Papa Francisco

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

MAIS RECENTES

XVIII Domingo do Tempo Comum

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João Quem vem a Mim nunca mais terá fome, quem acredita em Mim nunca mais terá sede (Jo 6,24-35) Naquele...

Saciar a fome de infinito

«Para Jesus não é suficiente que as pessoas o procurem, Ele quer que elas o conheçam» Nestes últimos domingos, a liturgia mostrou-nos a imagem cheia...

XVII Domingo do Tempo Comum

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João Distribuiu-os e comeram quanto quiseram (Jo 6,1-15) Naquele tempo, Jesus partiu para o outro lado do mar da Galileia, ou...

Para que nada se perca!

«O Evangelho convida-nos a permanecer disponíveis e laboriosos, como aquele jovem que se dá conta de que tem cinco pães, e diz: “Ofereço isto,...

ARQUIVO

ARQUIVO (ÚLTIMOS NÚMEROS)